Mão HumanaOs impactos ambientais são desequilíbrios existentes no meio ambiente causados pelo encontro do homem com a natureza.

São muitos os que afirmam a riqueza desse bioma. Por isso, são retirados da Amazônia quantidades expressivas de uma série de materiais, alimentos, recursos e produtos naturais provenientes desse ecossistema. Sem o correto manejo de algumas matérias primas corremos o risco de tornar estes recursos naturais cada vez mais escassos.

Não se deve generalizar e dizer que isto só acontece devido aos crimes ambientais noticiados pelos meios de comunicação como a captura ilegal de animais e plantas, prejudicando a biodiversidade. Em um ambiente complexo como esse, a derrubada e queima de árvores e do solo, o plantio de outras plantas e o uso de agrotóxicos, a criação de gado são fatores que contribuem para a perda desse bioma rico e importante.

Com essas ações humanas, os solos começam a ficar cada vez mais pobres em nutrientes e contaminados com substâncias provenientes da extração do ouro, as erosões começam a se intensificar e áreas que não eram alagadas, passam a ser.

Rios começam a absorver substâncias diferentes além do normal, solos são atingidos pelo sol e pelos ventos e, em consequência, o clima de outras regiões começa a mudar. Além disso, como a floresta é um grande estoque de CO², com o desmatamento elas liberam quantidades expressivas do gás para a atmosfera agravando assim o efeito estufa. Com o corte de árvores ocorrem incêndios florestais, pois as árvores de grande porte constituem uma barreira de proteção contra incêndios. Calcula-se que 17% da área está devastada ou ocupada.

Na chegada dos europeus, apenas 1% da área estava desmatada, hoje, a Floresta Amazônica tem sofrido com diversas infrações que prejudicam o ecossistema existente. Apesar de empresas investirem em pesquisas, formularem leis para a preservação amazônica e criar acordos internacionais percebe-se que a realidade da floresta é preocupante. Os problemas estão em todos os lugares. Milhares de espécies são ameaçadas com a poluição, a caça e pesca predatória.

Entre os animais ameaçados de extinção estão o Gavião-real, um animal forte e considerado pelos indígenas a mãe dos pássaros e espírito da floresta. Segundo os dados do IBGE há 218 espécies em extinção em todo o estado brasileiro. Isso acontece não somente por causa da captura desenfreada de animais, mas pela destruição de seu habitat natural, a poluição, o desmatamento no Brasil, entre outros fatores.

Desmatamento na Floresta Amazônica

Desde o início da colonização, o homem tem extraído seus recursos na busca por especiarias. Por causa do aumento da população e a construção de rodovias, as florestas foram as mais atingidas. Sem um planejamento adequado, muitos fazendeiros ou famílias não usam os recursos de uma forma correta. Enquanto, o índio só provocava desmatamento em áreas necessárias a sua alimentação, não removendo os tocos das árvores ou danificando o solo, os fazendeiros na agricultura e fábricas clandestinas causam a derrubada de madeira ilegal. Os focos de incêndios na amazônia aumentam cerca de 50% ao ano. Orgãos como o Instituto Nacional de Pesquisas Espacias (INPE) utiliza sistemas para monitorar estas áreas.

Além disso a ocupação e uso dos solos provenientes do crescimento populacional causam:

  • aparecimento de diversas doenças;
  • contaminação dos rios; depósitos de lixo;
  • falta de saneamento básico;
  • mau uso da agricultura;
  • favorecimento às mudanças climáticas.

Enfim, são diversos fatores que de uma forma ou de outra contribuem para o aparecimento dos impactos que o homem vem causando no ambiente amazônico. O fato é que um bem tão valioso está morrendo aos poucos.

Biopirataria

Outro fator preocupante é a biopirataria que não é o contrabando somente de produtos da flora e da fauna amazônica, mas também o uso e domínio dos conhecimentos oferecidos pelas populações existentes na Floresta Amazônica.

Espécies de plantas brasileiras que foram patenteadas por empresas internacionais são:

  • Açaí, registrado em 2003 no Japão e cancelado pela pressão das Ongs.
  • A Andiroba patenteada por empresas, no Japão, na França e também na União Europeia.
  • O Cupuaçu registrado no Japão pela empresa Asahi Foods e Body Shop, inglesa, entre outros produtos.

Os conhecimentos indígenas e os produtos estavam sendo apropriados por multinacionais que queriam ter ganhos sob estes povos. Assim, é preciso refletir sobre todos estes acontecimentos que rondam o bioma.

Os biopiratas, geralmente identificados como turistas e pesquisadores, contrabandeavam estes recursos sem serem descobertos e logo em seguida se apropriavam. A falta de fundos a pesquisa e de incentivos pelo Governo Brasileiro, trouxe pesquisadores de fora e o interesse internacional pela Amazônia. De acordo com João de Deus Medeiros, secretário substituto de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente, num debate na Câmara sobre os compromissos ambientais internacionais, o Brasil precisa estruturar os órgãos, aumentar o quadro de funcionários e qualificá-los.